OBS.4s: observações quadradas para um mundo redondo sobre um Deus triúno!

15/03/2009

Indo mais fundo

“Vá, chame seu marido e volte”. Jo 4.16
“Qual o seu nome?” Gn 32.27
Essas simples frases têm muita coisa pra nos ensinar.

A primeira foi dita por Jesus a uma mulher samaritana no seguinte contexto:
- Jesus e seus discípulos indo de Judéia para Galiléia, passando por samaria;
- Havia inimizade entre judeus e samaritanos, e;
- Jesus inicia uma conversa com a mulher samaritana.

A conversa vai se desenrolando, em um primeiro momento, com a surpresa da mulher pelo fato de Jesus lhe pedir água. Esta surpresa se dá por alguns motivos:
- os judeus não se davam com os samaritanos;
- a conversa entre um homem e uma mulher poderia ser mal interpretada;
- e a legislação proibia os judeus de utilizar os mesmos utensílios de alimentação que os samaritanos;

Em resposta à surpresa da mulher Jesus traça um paralelo entre a água do poço [satisfação transitória] e a água viva [satisfação eterna] e então a mulher pede da água viva.

Neste momento, Jesus parece mudar de conversa e diz: “Vá, chame seu marido e volte”. O que é que tem a ver uma coisa com a outra? O que é essa frase perdida neste texto?

A segunda frase [pergunta] foi dita na passagem que relata a luta entre Jacó e Deus no vale de Jaboque. E o contexto é de um homem [Jacó] voltando ao encontro de seu irmão [Esaú] de quem roubara o direito de primogenitura fingindo ser Esaú. Então é descrita uma luta intensa e longa; e o a solução encontrada por Deus para dar fim àquela luta foi ferir a coxa de Jacó. Mas mesmo ferido Jacó ainda impedia o término da luta sob a condição de ser abençoado. Então Deus lhe pergunta: “Qual o seu nome?”. Outra vez parece ser uma frase que não faz parte do texto, parece mudar de assunto.

Prosseguindo com o texto da mulher samaritana entendemos a profundidade daquela frase – é revelada a real situação da vida daquela mulher.
Já naquela luta Deus interroga Jacó sobre sua verdadeira identidade [naquela época o nome tinha um significado mais profundo]. Jacó não deveria mais fingir ser seu irmão.
É interessante notar que estas duas frases vieram após um pedido de benção.

Aplicando em minha vida concluo que minhas orações tem sido algo do tipo “Senhor me abençoe”, mas sem antes ter assumido minha identidade [“Qual o seu nome?”] ou apresentado minha real situação [“Vá, chame seu marido e volte.”].

Deus quer ter um relacionamento mais profundo com cada um. Ele não quer apenas nos abençoar com aquilo que pedimos, mas quer nos abençoar nos ensinando quem nós realmente somos e qual a nossa situação.

Um comentário:

disse...

Zé,

Muito bom o paralelo!!!
Me falou profundamente ao coração.
Deus te abençoe, irmão!

Abraço do