OBS.4s: observações quadradas para um mundo redondo sobre um Deus triúno!

11/05/2008

Depois de anos da Reforma Protestante...

Tudo que os reformadores conquistaram foi por água abaixo.
Estamos entregando, de mão beijada, toda luta pelo direito e pelo prazer de se ler e interpretar a Bíblia de volta ao clero.
Descartamos, diariamente, a alegria de descobrir o que Deus quer nos dizer através de sua palavra.
Aguardamos, semanalmente, que alguém, que tenha uma vida dedicada a Deus, nos traga algo novo.
Esperando que a palavra venha de encontro às nossas respostas prontas.
Cremos que, de tanto que já lemos a Bíblia, já exaurimos tudo o que podíamos dela.
Temos medo de lê-la com seriedade e sinceridade pois sabemos que depois teremos de tomar uma decisão.
Preferimos a música que "arrepia" ao invés do louvor.
Não queremos mais buscar a Deus como indivíduos.
Buscamos o barulho do louvorzão ao invés do silêncio do nosso quarto.
Esperamos que peçam perdão, coletivamente, pelos nossos pecados individuais.
Entramos na presença de Deus apenas com o prelúdio da liturgia, e olhe lá...
Não consagramos nem o domingo a Deus que dirá os dias da semana...
Achamos que Deus voltou a morar em templo feito por mãos.

6 comentários:

Cristiano Silva disse...

Concordo com tudo o que foi dito no texto, mas devo ser sincero ao dizer que fiquei meio assustado com o título hehehehehehe Achei que você ia até falar de outra coisa :-)

Não acho que o problema faz parte de alguma "conclusão" da Reforma, mas sim é apenas um desdobramento ruim. As conclusões da Reforma (os solas) são boas, ao meu ver. Alguns desdobramentos, não.

Falei muita besteira? Sei lá... abraços!

Israel disse...

CARAMBA!!!Que verdade mais verdadeira! Parecia você falando de mim...

Cristiano Silva disse...

Não sei se a mudança no título foi pela minha sugestão, mas deste jeito ficou bem melhor hehehehehehe

O problema é que agora encanei com a primeira frase: "Tudo que os reformadores conquistaram foi por água abaixo." :-)

Não acho que TUDO foi por água abaixo. Vocês 4 donos deste Blog são a prova que nem tudo foi por água abaixo. E na verdade, mesmo nos tempos difíceis que vivemos, nunca podemos deixar de ter em mente que Deus nunca saiu do controle, e que Deus nunca deixou de cuidar da sua Igreja. Veja exemplo de Elias: achava que estava sozinho, mas Deus disse a ele que havia salvo ainda outros 7 mil profetas!

Perdoem minha chatice, irmãos. Podem me "pegar na saída" da Igreja semana que vem, se quiserem! :-)

Aefe! disse...

Opa!, concordo com o texto, com o Rael e com os dois posts do Cristiano...

Não foi a Reforma que fracassou, eu acho que quem fracassou somos nós, em não continuarmos reformando, ou melhor, retornando às Escrituras.

Porém, a própria liberdade de expressão religiosa que temos é prova de que as idéias da reforma ainda continuam navegando a todo o vapor (e não por água a baixo, rsrsrs, entenderam?).

Mas de uma coisa estou agarrado à idéia do texto: estou támbém decepcionado com a cristandade. Aliás, está na moda isso. Rsrsrsr.

O movimento de decepção está no ar. Temos lido tanto aqui quanto por aí... Alías, também, nunca se falou tanto em uma nova Reforma, novos Luteros nascem a cada dia...

A cristandade está em colapso: precisamos de Deus!

Cristiano Silva disse...

"Aguardamos, semanalmente, que alguém, que tenha uma vida dedicada a Deus, nos traga algo novo."

Sobre esta frase, acho que é realmente uma das causas do problema.

Se eu tivesse dado minha aula domingo passado (hehehehehe) sobre os 10 Mandamentos, eu ia explicar justamente como as pessoas acham que tem Deus no coração, mas na verdade tem apenas um "Deus", fruto do achismo pessoal e dos outros, e não o Deus verdadeiro revelado na Bíblia. Acabam tendo mais um ídolo, e não Deus: é a "idolatria evangélica".

Por não buscarem mais a Bíblia, e confiarem neste "Alguém", que muitas vezes não é um "Alguém" da classe dos confiáveis, muitos são apresentados, por exemplo, a um deus cuja função se limita em nos dar felicidade. Um deus que é apenas um trampolim para o nosso sucesso. Um deus que não é o fim, mas apenas um "meio". Isso sem falar nos outros "sabores" de divindade que apresentam por aí (como o "Deus" que não sabe do futuro).

Aí fica a pergunta: depois de anos da Reforma, quem ainda busca o verdadeiro Deus conforme revelado nas Escrituras??? A Igreja evangélica se tornou católica romana de novo, depois de tanto tempo?

Jônatas disse...

Muito bom...

Abs.!!