OBS.4s: observações quadradas para um mundo redondo sobre um Deus triúno!

06/05/2008

Código penal da anarquia Cristã


Continuando o tema que tenho seguido em meus últimos posts, onde o cristianismo seria um anarquismo, venho falar sobre o código penal de uma sociedade assim. Apesar de todos terem uma consciência apurada sobre sua função na sociedade, nós estamos suscetíveis a erros. Quando isso ocorre, estamos fugindo do que fomos criados para ser, do que fomos criados para fazer.

Ainda vivemos sob a ação do pecado e a anarquia completa será o céu: a nossa maior esperança; o que temos aguardado. Essa ação do pecado ainda faz com que nós erremos no trato com Deus e com nosso próximo.

Desde pequenos somos treinados para agir de acordo com o que merecemos. Se fizermos alguma coisa boa recebemos uma recompensa, se fizermos alguma coisa ruim recebemos uma pena. Não é diferente quando crescemos. Até a palavra obrigado deriva deste pensamento. Dizemos “obrigado” quando recebemos algo, e assim falamos que somos obrigados a retribuir.

Acontece que na forma de sociedade que tanto falo, não existe pena. Quando uma pessoa foge da lei, ela não recebe pena, recebe amor! Isso mesmo. O favor imerecido que temos é a ação de Deus. Uma vez que fomos criados para nos relacionar com Ele, o pecado entrou e quebrou o relacionamento. Então, se não bastasse termos ganhado o relacionamento com Deus sem merecer, Deus envia o seu filho para, sem pecado nenhum, morrer na cruz, suportando os nossos pecados para ganharmos de presente o relacionamento com Deus de novo.

É estranho pensar que Deus nos ama apesar do que fazemos, e mais estranho ainda é pensar que o crime cometido por mim não receberá pena porque alguém pagou por mim. Mas, apesar de estranho, é necessário, pois não conseguimos pagar o que fizemos. Quando aceitamos a graça de graça, nos igualamos uns aos outros, nos torna pecadores amigos de Deus, sem distinção de merecimento. Acaba com a opressão do merecer!

Jesus se refere ao Reino dos Céus em uma parábola onde todos os trabalhadores, tanto os que trabalharam 1 hora quanto os que trabalharam 12, ganharam o mesmo valor pelo serviço. Estranho pensar que quem trabalha menos recebe o mesmo tanto, acontece que é Deus quem detém o poder de dar a vida eterna, e ele a dá como ele deseja e para quem Ele deseja.

Mais para frente, Jesus se refere à vida eterna como sendo conhecer a Deus. Então o que faria a diferenciação de quem trabalhou mais e menos? Nenhuma, porque somos diferentes, e o parâmetro de Deus anula a competição, ou seja, a sociedade de merecimento.

Agora eu penso, se eu infrinjo a lei e me arrependo, eu não preciso pagar por ela para me relacionar com Deus novamente. E fora isso, ganho o relacionamento com Deus e conheço-o. Como eu posso dizer que eu trabalhei mais e devo ganhar mais se já estou ganhando além do que posso imaginar?

Esse é o código penal de Deus. Receber a morte de Jesus na cruz como pagamento pelo que fizemos. Receber de graça a graça de Deus!

3 comentários:

Jonathas Acácio disse...

Grande amigo, concordo com suas palavras afinal de contas somos todos agraciados, recebemos a Graça da salvação sem ter feito nada, servimos por gratidão, é para isso que fomos criados para servir a nosso Deus e tambem aos nossos irmãos, eles nos ama mesmo sendo como somos.
amo vc em Cristo!
estou com muita saudade de vê-lo pessoalmente.
um osculo Santo
de seu consevo.
Jonathas Pop´s

Jonathas Acácio disse...

Mais um recadinho pra meus grandes amigos, Deus tem usado este espaço de vocês para fazer sua obra.
um osculo Santo, amigos!
muitas saudade!
do conservo, Jonathas Pops!

Humberto Ramos disse...

Cara, que legal esta sua reflexão. Aliás, esta série de reflexões. Tenho gostado muito de lê-las.

Ah, conheci sua prima Alice, ela esteve aqui no Encontro Regional de CApacitação. Muito gente fina.

Véi, fica na paz.