OBS.4s: observações quadradas para um mundo redondo sobre um Deus triúno!

17/11/2008

12 Passos



I - reconhecer que não possuo o controle sobre minhas ações.
II - reconhecer que Deus pode me sarar.
III - entregar minha vida sob o controle de Deus.

Esses são os 3 primeiros passos do programa conhecido como 12 pasos utilizados pelos Alcóolicos Anônimos. Programa que visa restauração da imagem de Deus, pessoal e social para uma melhor vivência entendendo o ser humano como é se relacionar com Deus consigo mesmo e com o próximo da maneira que fomos feitos para fazer.
Mike Portnoy é baterista de uma banda chamada Dream Theater, ele fez os 12 passos e escreveu músicas a respeito de sua caminhada pessoal. A primeira chama-se Glass Prison (Prisão de Vidro) que demonstra a escravidão que os nossos vícios nos causam, a música pode ser vista e apreciada no video acima. Notem a intensidade dela com os versos que se seguem. A numeração da música é referência a cada um dos passos.

Tradução da música.

Prisão de Vidro

I. Reflexão

Trapaceiro, Perdido, poderoso
Sendo muito espancado
Vigoroso, Irresistível
Doente e cansado e abatido
Dominando, Invisível
Escuridão, perda controle
Esmagador, inssaciável
Sou fraco, tenho que sair dessa

Não posso escapar
Isso me deixa frágil e desgastado
Não aguento mais
Dicernimentos gastos e rasgados

Rendição sem esperança
A obsessão me vence
Perdendo a vontade de viver
Admitindo o fracasso total

Declínio fatal
Rodando
Já fui longe demais
Para voltar atrás

Tentativa desesperada
Pare a progressão
A qualquer momento
Tomo essa obsessão

Engatinhando para minha prisão de vidro
Um lugar que ninguém conhece
Meu mundo secreto começa

Muito mais seguro
Um lugar onde eu posso ir
Para esquecer o meus pecados diários

A vida dentro da prisão de vidro
Um lugar que um dia eu chamei de casa
Caio na curtição noturna de novo

Procuro um amigo perdido há muito
Não posso mais controlar
Só esperando essa falta de esperança terminar


II. Restauração

Corra - rápido dos danos do passado
Um muro da prisão de vidro despedaçado atrás de mim
Lute - passado andando sobre as cinzas
Um oásis distante a minha frente

Chore - desesperado engatinhando com meus joelhos
implorando a Deus pare essa loucura
Me ajude - Estou tentando acreditar
Pare de dar lugar a minha auto-piedade

Temos te esperado meu amigo
Os escritos na parede
Tudo que precisa é um pouco de fé
Você sabe que é o mesmo que nós

Me ajude - Não posso sair dessa prisão sozinho
Me salve - Estou afundando e sem esperança sozinho
Me cure - Não posso restaurar minha sanidade sozinho

Entre pela porta
Desesperado
Chega de lutas
Me ajude a restaurar
A minha sanidade
Nesse templo de esperança

Preciso aprender
Me ensine como
Sofrer para passar
Me ajude a voltar
À humanidade
Serei corajoso e minuncioso
Para entrar nesse templo de esperança

Acredite
Ultrapasse a dor
Vivendo e vida
Humildade
Abriu meus olhos
Essa nova odisséia
De honestidade rigorosa

Serenidade
Que eu nunca conheci
Solidez da minha mente
Me ajudou a achar
Corajem para mudar
Tudo que eu posso

Nós ajudaremos a realizar esse milagre
Mas você precisa liberar seu passado
Você cavou a cova, mas não pode enterrar sua alma
Abra sua mente e você verá

Me ajude - Não posso sair dessa prisão sozinho
Me salve - Estou afundando e sem esperança sozinho
Me cure - Não posso restaurar minha sanidade sozinho


III. Revelação

Distante da estrada vi a porta
Tentei abrir
Tentei Forçar com toda força mas mesmo assim não se abriu
A porta não pode ser aberta

Incapaz de acreditar na minha fé
Me voltei e me desviei
Olhei em volta, me senti como um frescor no ar
Peguei minha vontade e voltei atrás

A prisão de vidro que me detinha não existe mais
Uma fortaleza de longo tempo perdida
Armada só com liberdade
E a chave da minha força de vontade

Cai sobre meus joelhos e orei
Seja feita a sua vontade
Me virei e vi uma luz brilhando
A porta estava totalmente aberta

Um comentário:

Rogério disse...

A minha "prisão de vidro" não era um vício, era um medo.

Eu tinha pânico de dirigir. A maioria das pessoas não entendia (nem entendem) achavam que era besteira.

Eu pegava o carro todo o fim-de-semana, não ia muito longe, não conseguia. Não era falta de habilidade, era medo mesmo. Medo que eu escondia o quanto podia (imagina homem com medo de dirigir).

Não era bobagem, eu tinha carro, sabia dirigir, e precisava. Toda vez que me sentia incapaz minha auto-estima ia pro chão. Todos eram capazes disso, menos eu.

Até o dia que eu resolvi me libertar, ou não sei o que dentro de mim, orei, peguei o carro e fui, sem rumo definido, uma cidade, duas, três até chegar em São Paulo. Voltei ainda incrédulo que tinha conseguido.

Pra muitos isso pode parecer a maior bobagem do mundo, mas porque não viveram na prisão que eu vivi. Só eu sei o que eu passei, e Deus claro.

Lendo a letra da música, mesmo sendo outra situação lembrei dessa minha experiência, o dia que eu saí da "prisão". Hoje sou livre e ando pra todo lado, superei, graças a Deus.

Abraços, obrigado por compartilhar o post.