OBS.4s: observações quadradas para um mundo redondo sobre um Deus triúno!

27/02/2010

O que você quer de mim?


Era ainda começo de noite quando o Seu Mirra foi deitar. Ele estava exausto e adormeceu profundamente assim que encostou a cabeça no travesseiro.

Durante a noite, sentiu um grande aperto no coração e despertou ofegante. Em seu quarto escuro, de frente pra sua cama, viu que havia um homem sentado na ponta de sua cama. O olhar do homem era de grande dor. Era um homem aparentemente forte, alto e vestia um terno completamente negro. Seu Mirra se estremeceu e ficou sem reação, parado, fitando aquele estranho, tentando enxergar o máximo que podia naquela escuridão. O homem, calmo e com uma voz de tonalidade infeliz, pediu que Seu Mirra ficasse tranquilo, pois ele queria apenas conversar. Seu Mirra não entendeu o por quê daquele homem querer conversar com ele, já que nunca o havia visto antes. Mas antes que Seu Mirra pudesse argumentar, o homem resolveu falar:
- Meu nome é Miguel.
- O que você quer aqui? Como entrou em minha casa? – perguntou Seu Mirra sem conseguir conter seu desespero.
- Quero conversar com você. Sobre você. – respondeu Miguel simplesmente.
- O que você sabe sobre mim? O que tem pra falar de mim?

O quarto estava realmente escuro. Seu Mirra mal podia ver o que estava ao seu redor. Mas, por incrível que pareça, conseguia ver o homem muito bem.
- Tenho lhe observado durante muito tempo. Sei quem você é. Sei por exemplo que nunca foi casado, que é filho único, que toca piano muito bem e que já leu quase 800 livros em toda a sua vida. Sei que é um homem que gosta de trabalhar, que tem grande iniciativa e tem poucos amigos.
- Quem é você de verdade? - Seu Mirra estava abismado com a veracidade daquelas palavras.
- Sabe o que mais me impressionou em você? Você frequenta a igreja todos os domingos, sem exceção, mesmo sendo um senhor de idade. Você foi criado dentro da igreja, não é? Desde jovem sempre se dedicou ao trabalho na sua igreja. Começou cantando no coral infantil, foi líder do grupo de adolescentes, liderou projetos que apoiavam os moradores de rua da sua cidade e mais do que tudo, se tornou o pianista oficial da igreja assim que aprendeu a tocar. Quando o reverendo precisava de algo, você estava lá; quando a igreja precisava de algo, você estava lá. Muito admirável a sua dedicação e disposição.
Lembro que do primeiro salário que recebeu na vida, a primeira coisa que fez foi separar 10% para dar o dízimo. E sei que nunca faltou com esta “obrigação”. Você foi um homem de comportamento admirável, Seu Mirra.
- Obrigado – agradeceu Seu Mirra com uma voz meio engasgada.
- Agora, preciso lhe contar um ocorrido, Seu Mirra. E certamente você ainda não sabe da notícia. Lembra-se de um homem conhecido como Oliveira?
- Oliveira...? – parou Seu Mirra para tentar colocar sua velha memória para funcionar. Sim, claro! Oliveira! Ele foi membro da minha igreja durante muitos anos. Mas faz tempo que não ouço falar nada dele, pois ele se mudou de cidade quando éramos ainda jovens. Por que a pergunta?
- Ele morreu esta noite. – Miguel nesta hora aparentou ficar feliz.
- Morreu? Como? De que?
- Ele estava de cama havia já algumas semanas. Seus rins já não funcionavam mais. Ele pedia tanto para morrer. A dor devia ser tremenda! – enfatizou Miguel.
- É uma pena! Oliveira era um homem como poucos que conheci na vida. Lembro da grande tragédia que acabou com a vida dele, quando ainda era bem jovem. Seu filho, de apenas quatro anos, caiu na piscina da casa. Oliveira se culpou por não ter salvado a vida do filho. Ele não podia. Ele estava de olhos fechados, fazendo uma oração antes de almoçar. Ele não ouviu um barulho sequer da queda do filho. Foi rápido, foi suave, e traiçoeiro.
Oliveira nunca mais teve outro filho. Sua esposa entrou em profunda depressão e não saía de casa. Ele faltava muitos domingos por estar com ela. Lembro perfeitamente de quando ele aparecia na igreja dizendo que sua esposa um dia o perdoaria e que ele tinha fé em Deus que ela ficaria melhor.
- A vida nem sempre é como nós queremos que ela seja ou como nós pensamos que ela vai ser. Esta tragédia na vida de Seu Oliveira e de sua esposa abalou sua casa, seus relacionamentos e até mesmo sua força, mas não abalou a sua fé. Todas as noites orava de joelhos pedindo força e sabedoria a Deus. De manhã, antes de sair pra trabalhar, lia a Bíblia e orava para Deus manter sua fé e cuidar de sua esposa, que ele tanto amava.
- Você também conhece a vida do Oliveira, é? – perguntou Seu Mirra.
- Estive com ele um pouco antes de vir aqui.
- Como assim esteve com ele? Ele não morreu hoje? Aliás, como você soube da morte dele?
- Porque assim que ele morreu, fui visitá-lo em sua casa, assim como estou aqui com você.
- O quê? Do que você está falando?
- Encontrei com Oliveira logo após ele morrer. Tivemos uma longa e agradável conversa.
- Quem é você?
- Fui encontrá-lo para lhe mostrar como tudo valeu à pena. E dizer que seu sofrimento foi uma prova de amor e devoção. Que o admirava muito e que eu tinha roupas novas, limpas para ele. Ele chorou em meus braços, quando eu disse que ele ia encontrar o seu filho e sua esposa e que eles estavam felizes pela chegada dele.
- Eu estou morto? Por isso você está aqui? Por acaso você é um anjo? Veio aqui para me levar também, no mesmo dia que o meu amigo?
- Não, Seu Mirra! – exclamou Miguel com uma expressão de desapontamento.
Você não vai comigo. Você não tem permissão para entrar na casa. O dono dela não te conhece. Ele não reconhece sua pessoa e nem lembra seu nome.
- O quê? Como assim? Mas você sabe o meu nome. – exclamou desesperado Seu Mirra.
- Eu só estou aqui para te avisar. Você nunca se apresentou a Ele, nunca o convidou para entrar na sua casa. Você visitou assiduamente a casa de pedras dele, desde pequeno. Mas isso não faz com que Ele te conheça.
- Mas eu sempre me dediquei a Ele, nunca faltei um culto, sempre fui fiel com o meu dízimo, ajudei quem estava ao meu redor. Oliveira faltava quase todos os domingos, raramente dava o dízimo e pouco trabalhou na igreja! – se defendeu Seu Mirra acusando seu amigo.
- Você acha mesmo que Ele considera tão importante o trabalho na casa Dele? E dinheiro, você acha que Ele precisa do seu dinheiro? Ele gosta de ver, sim, uma prova de fidelidade. Mas isso não é tudo. Ele quer mesmo é que você o procure sinceramente. Ele quer ver mudança interior, autonegação. As pessoas se preocupam em fazer, trabalhar, atuar! Ele quer que você se preocupe com o ser! É bonito se dedicar na igreja, assumir ministérios, participar de projetos tão sonhados pelos líderes. Mas isso não o impressiona, sabe! Muitos falam assim para Ele: “quero ser usado por Você, onde e como for”. A questão é: Ele não usa as pessoas! Usar significa fazer contra a vontade, e isso é o que Ele não faz! Quando que vocês vão entender que o que Ele tanto pede é um pouco de amor, relacionamento, conhecimento. Ele quer ver o amor das pessoas fluírem entre os outros, Ele quer ter um relacionamento verdadeiro com cada um, e não ouvir uma oração um dia e o silêncio nos outros. Ele aprecia ver que as pessoas querem conhecê-lo mais e mais, e não se contentar com conhecimento superficial. As igrejas hoje pregam o trabalho, o dinheiro, a prosperidade. É pura ilusão! Não sabem o que falam! E isso é consequência da falta de conhecimento Dele e da Palavra Dele! O cristianismo fácil e prático faz parte da rotina das igrejas. A verdade, o que é errado e o que é difícil, é escondido debaixo do púlpito. Pregar a benção, a riqueza e o sucesso fazem as pessoas saírem mais aliviadas da porta da igreja. E não adianta entrar e sair por esta porta todo domingo. Isso não salva! E não salvou você! Você foi enganado! E sinto dizer, mas vou ter que lhe levar para um lugar diferente que Oliveira foi.
- Não, por favor, me dê uma chance!
- Você teve toda uma vida de chances! – disse Miguel firme em sua posição.
- Eu tenho muito medo!
- Você não estará sozinho. Há muitos como você.
- Posso fazer um único pedido? – perguntou Seu Mirra.
- Sim.
- Peça perdão a Deus por mim. Sei que é tarde, mas queria ao menos que Ele soubesse.
- Tenha certeza que Ele já sabe. Agora, tenho que partir. Assim que eu sair você estará na presença de outro homem. Ele o levará com ele. Não resista, vai ser muito pior. Apenas faça o que ele mandar.
- Não me deixe, por favor! Miguel? Miguel, volte! Pai nosso, que estás no céu...

2 comentários:

Nany disse...

Muito bom o texto e história. Acredito mesmo que a gente perde tempo tentando impressionar Deus e as pessoas, mas na verdade o que Ele é quer e ter tudo o que somos nas mãos, para nos fazer conforme a sua vontade!!

Jonathas Acácio disse...

Concordo com o texto, concordo com a Nany também, minha querida irmã e colega de profissão, e sem qualquer tipo de falsidade, este texto veio como uma faca afiada diretamente ao meu coração e me fez chorar e principalmente analisar minha vida minhas futilidades e os empecilhos que coloco diariamente para ser um cristão de verdade e não mais um numero no rol de membros da igreja.