OBS.4s: observações quadradas para um mundo redondo sobre um Deus triúno!

25/02/2011

Disciplina é vida


Há muito tempo tenho pensado sobre a questão da disciplina.
Quando criança ela era um fardo enorme que tinha que carregar, era um saco ser disciplinado e ter que conter meus impulsos por fazer as coisas quando eu queria do jeito que eu queria.
Cresci e a questão não mudou, só piorou. Continuei achando que a disciplina era um mal necessário e que deveria viver sob a ação dela até morrer, o que era um saco.
O meu pensamento é muito bem explicado pela nossa sociedade, aprendemos desde cedo que os nossos desejos devem ser supridos e que a disciplina só nos freia e nos tira do prazer que podemos ter. Então devemos descartar a disciplina que nos é dada.
No meio cristão, muitas vezes ela é considerada um fardo enorme que temos que carregar. Sempre vemos ela do ponto de vista de negar a nós mesmos e pegar nossa cruz, que é a nossa vontade por fazer o mal.
Não desconsidero esse ponto de vista, mas ele já me fez tão mal que proponho uma forma, também bíblica, de ver a disciplina para uma definição mais equilibrada.
Paulo fala em sua carta aos romanos a seguinte frase: "se vocês viverem segundo a carne, morrerão" logo em seguida ele contrapõe com essa: "se fizerem morrer os atos do corpo, viverão". A partir dessa frase concluo que a falta de disciplina é sofrimento e a presença de disciplina é vida, e vida no sentido de alegria, gozo, paz e etc.
Muitas vezes me pego pensando que devo ter uma vida recatada sem alegria porque isso não me é permitido, como se a alegria fosse "o ato do corpo", e com essa idéia vem a de que devo a Deus uma vida de santidade, uma vida de negação, para "pagar" o que Ele fez na cruz. O que acontece na verdade é que Deus faz tudo em nós, tanto a salvação como a mortificação e a nossa atitude de fazer os atos do corpo morrerem não é nada mais do que uma simples mostra de gratidão pela salvação de Jesus e ação do Espírito em nós.
Vamos modificar nossos atos do corpo, fazer morrer a nossa natureza pecaminosa, mas além disso vamos modificar a nossa mente e as nossas definições sobre disciplina e a necessidade de pegarmos a nossa cruz.

2 comentários:

Paulo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo disse...

No ensino medio, as vezes o professor de alguma materia queria marcar alguma prova para um dia proximo. Lembro que a maioria dos alunos da minha sala reclamavam, mas para alguns outros alunos, quanto mais cedo a prova melhor seria, pois assim se livrariam daquela obrigação mais rapido. Esse alunos eram diciplinados, estudavam todo dia, faziam o dever deles todo o dia e estavam preparados para serem testados a qualquer hora. Para mim, o prazer da diciplina é a generalização deste exemplo, mas é claro que somos limitados e não se pode estar preparado para tudo...
Abraços