OBS.4s: observações quadradas para um mundo redondo sobre um Deus triúno!

30/08/2010

O crente e o dinheiro

Faz um tempo que tenho pensado em escrever sobre a relação do crente com o dinheiro. Mais especificamente quando se trata de um negócio entre cristãos.
Eu digo isso me incluindo pois existe uma maneira de encarar o serviço/produto que o nosso irmão cristão presta ou vende como sendo um favor.
Muitas vezes eu vejo, trabalhando em organizações evangélicas, que o dinheiro ou a compra de certa coisa é vista como um favor. Só pelo fato do vendedor/prestador de serviço ser da mesma família de fé nossa, pensamos que ele tem que nos dar de graça o serviço/produto, ou pelo menos com um desconto digno de nossa fé em Cristo.
Não foram poucas as vezes que eu vi pessoas acharem um absurdo não ganharem um desconto por serem crentes e estarem comprando de uma instituição crente. Gostaria de perguntar se nós não estamos esquecendo que o amar ao próximo como a nós mesmos. E se nós tivessemos vendendo e dependendo daquele dinheiro para nos sustentar. Assim como precisa haver um equilíbrio na lucratividade de um negócio é preciso haver um equilíbrio no ganho de descontos.
Gostaria de estender esse assunto para outras vertentes que não deixam de ser pertinentes. Ao se pedir um favor a um irmão na fé vejo pessoas se destituindo de sua responsabilidade bem como o contrátio, pegando responsabilidade demais. Isso não está errado? Chamamos ao outro de irmão e pedimos algum favor que é de nossa responsabilidade, assumimos um compromisso e deixamos para o outro fazer, afinal de contas ele é crente. E o que a bíblia diz sobre isso?
No livro de primeira Crônicas 21:22-24 vemos uma situação em que podemos ponderar sobre o que seria ideal.
22: E disse Davi a Ornã: Dá-me este lugar da eira, para edificar nele um altar ao SENHOR; dá-mo pelo seu valor, para que cesse este castigo sobre o povo.
23: Então disse Ornã a Davi: Toma-o para ti, e faça o rei meu senhor dele o que parecer bem aos seus olhos; eis que dou os bois para holocaustos, e os trilhos para lenha, e o trigo para oferta de alimentos; tudo dou.
24:E disse o rei Davi a Ornã: Não, antes, pelo seu valor, a quero comprar; porque não tomarei o que é teu, para o SENHOR, para que não ofereça holocausto sem custo.
Podemos ver que Davi reconhece a sua responsabilidade e paga por ela mesmo com a oferta de Ornã de dar tudo o que ele precisava.
Irmãos, vamos pensar melhor sobre essa questão, vamos assumir nossos compromissos e honrar nossos gastos.
Que Deus nos abençoe.

2 comentários:

Paulo Campos Jr disse...

Consciência também deve existir entre os cristãos? Sim, também acho. rs

Nossa realidade é esta e ainda temos muito o que evoluir.

VANDER disse...

Temos que ver de quem somos discipulos: de alguém que veio em forma de servo! O problema de muitos crentes é aquele olhar consumista onde o evangelho muitas vezes é fonte de lucro... Não são apenas pastores mercenários que lucram pois membros que consomem seus irmãos e seus pastores tb estão errando. Tem gente que de longe enxerga um aproveitador mas quando ele se aproveita consegue contextualizar no "amor" na "misericórdia" e na "longaminidade"... só que tudo "do outro" sendo que EU É QUE SOU DEVEDOR e não meu irmão. O nome disso é Imaturidade espiritual... é a igreja de Corintios em pleno século XXI. Mas depende de mim e de vc que lê esse texto deixarmos as meninices e começarmos a amadurecer SERVINDO nossos irmãos com amor ! Veja bem, eu disse pra vc servir e não pra exigir o serviço do outro rsrsr. Beijo grande